Tenho o meu próprio tempo…

Quero ler mais, por que? Porque gosto de ler, porque gosto de me envolver numa história ou de aprender uma coisa nova.

Mas medir meu hábito pela régua dos outros é sempre uma merda. Porque aí surge a comparação, surge a ânsia de querer acompanhar alguém cuja rotina pode ser o total oposto da minha… E daí? Como que faz?

Apesar de acreditar e entender o poder da disciplina e de um planejamento diário de atividades, se ler, para mim, é um hobby, nada mais justo do que fazer quando me der na telha certo? Certo.

Eu sinto saudade de ler, sinto saudade de escrever. Quero gastar meu tempo de um jeito que me satisfaça mas quero fazer tudo no meu tempo.

(talvez isso não faça nenhum sentido mas talvez o sentido seja o sentimento comum)

Publicidade

[Na Estante] Tudo nela Brilha e Queima – Ryane Leão

O real motivo de eu ter tirado esse blog da prateleira mais empoeirada do meu canto da internet é que no começo do ano eu li A Terra Inteira e o Céu Infinito da Ruth Ozeki, um livro que me impactou de tal forma que eu precisava compartilhar meus sentimentos com qualquer pessoa que pudesse passar por aqui.

Desde então eu já li e reli alguns livros esse ano, me mantendo fiel a minha meta de retomar o hábito de leitura e numa dessas, acabei encontrando esse livro de poesias de uma autora nacional que me deixou sem fôlego de tanta emoção. Tudo Nela Brilha e Queima é o tipo de livro que dá vontade de grifar inteirinho e mesmo lendo na versão digital do meu kindle foi basicamente isso que eu fiz.

A Ryane Leão é mulher negra, poeta e professora cuiabana que vive em são paulo. Publica seus escritos em lambe-lambe e na internet com o projeto onde jazz meu coração. Além disso, escreve em blogs autorais há mais de dez anos e recita suas poesias nos saraus e slams da cidade. Seu trabalho é pautado na resistência das mulheres e focado na luta e no fortalecimento pela arte e pela educação. A autora também é do axé. (fonte Google Books, na página do livro)

A força e delicadeza da Ryane em seus versos é algo que nos pega em cheio, acolhe ao mesmo tempo que deixa aquele gosto amargo na boca quando nos lembra das decepções e machucados que sofremos, seja amoroso, familiar ou da vida em si.

Os poemas são curtos porém profundos, capazes de se conectar com quase qualquer experiência que tanto o/a leitor/a quanto a autora tenham passado. E só digo quase porque eu, enquanto mulher branca com outros fatores, tive uma experiência de vida diferente da dela. E ainda assim pude testemunhar sua dor, sua raiva, sua vontade de vencer mesmo com todas as dificuldades a partir de suas palavras.

Tudo Nela Brilha e Queima é um livro que ilustra o ditado “não sei nem o que dizer, só sentir” e mesmo com todas as provações nos faz pensar “e graças a Deus que consigo sentir”.

[na estante] A terra inteira e o Céu Infinito – Ruth Ozeki

Uma das minhas metas de 2020 era retomar meu hábito de leitura.

É retomar meu hábito de leitura. Mas não adianta querer ler 50 livros num ano só porque em algum ponto da minha vida é algo que eu teria feito… A cada ano que passa percebo cada vez mais que muita coisa na vida é questão de qualidade, não de quantidade, e que tudo bem não ser uma pessoa dos clássicos (respeito, mas não é minha praia) e que tudo bem ficar no meu reino da ficção. Eu gosto da ficção e muitas vezes me sinto mais próxima da realidade lendo ficção do que lendo não-ficção.

Qual o impacto que um livro pode causar na gente?

Comecei 2020 com duas leituras leves, que deixam o coração quentinho mesmo nos momentos mais difíceis: Anexos da Rainbow Rowell e Carry On também da Rainbow Rowell. Comentei que se passasse o ano de 2020 lendo somente os livros dela seria um ano “bem lido”… Só que ao desenterrar meu kindle das profundezas dos meus gadgets eletrônicos desenterrei também outros livros que em algum momento da minha vida quis ler. Dentre eles um YA bem maluco que demorei tanto pra ler que quando peguei pra terminar não lembrava de 90% do contexto dos personagens mas terminei mesmo assim porque a história, apesar de maluca, foi envolvente o suficiente.

E também no kindle, lá pelos 24%, estava A terra inteira e o Céu Infinito, da Ruth Ozeki. Eu lembro que quando o livro foi lançado eu estava trabalhando na Saraiva e fiquei apaixonada pela arte da capa.  O contraste da grande onda branca com o tom ocre do fundo, e o próprio azul. Foi um livro que ficou na minha mente e, apesar de ter demorado 6 anos para lê-lo, fiquei muito feliz de ter sido arrebatada por essa narrativa que me emocionou de tantos jeitos diferentes que não saberia nem por onde começar a escrever.

Recomecei do zero no final de janeiro e terminei o livro na noite de quinta-feira antes do carnaval e os capítulos finais foram uma viagem muito doida e incrível e terminei a história de Ruth e Nao querendo ser uma pessoa melhor, mas também extremamente abismada como o mundo é um lugar tão terrível. Apesar de alguns fatos serem, eu acho, fictícios, o livro em si conta parte da história de um jovem estudante de filosofia que fora convocado pelo exército japonês a lutar na Segunda Guerra Mundial e se tornou um piloto kamikaze, na missão suicida de pilotar seu avião contra um navio americano no Oceano Pacífico.

Para além dos horrores “habituais” da guerra. Outra coisa me espantou na manhã seguinte enquanto escovava os dentes, a história do soldado japonês da grande guerra se passou num espaço de tempo entre 1943 e 1945. Meu avô materno já era vivo naquela época, assim como a minha avó materna e meu avô paterno e a mãe do meu pai. Mas eu pensei no meu avô materno porque eu lembrei que ele tinha nascido em 1921, ele tinha 22 anos quando a história do Haruki nº 1 do livro aconteceu, e o próprio Haruki não tinha nem chegado nos 20. Num outro mundo, aquele poderia ter sido o meu avô. E se ele tivesse morrido num ataque suicida por uma guerra da qual ele nem queria participar, eu poderia não estar aqui, escrevendo esse post depois de ter lido esse livro.

Inclusive, a teoria quântica de vários mundos é abordada brevemente no livro.
Foi a parte que mais me deixou confusa embora os esforços da autora em deixar as explicações acessíveis não passaram despercebidos, até li os apêndices para entender o contexto das informações citadas na história.

“A terra inteira e o Céu infinito” é a ficção mais não-ficção que já li. A preocupação com a precisão das informações e referências inseridas é o que me sugou para a história e me mostrou o lado feio que o Japão tanto tenta esconder (uma das coisas que o livro aponta bem). Um povo que não conhece sua história está fadado a repeti-la, mas e o povo que conhece, mas ignora? Que tenta reescrever o passado apesar das sequelas terríveis que gerou. Das cicatrizes que deixou. Fico pensando se os japoneses de hoje em dia sentem a vergonha dos seus antepassados ou se fecham em sua arrogância enquanto desprezam os cidadãos dos países a quem fizeram tanto mal.

Não posso recomendar essa leitura mais do que já estou recomendando dedicando tantas palavras assim a falar dele, mas preciso avisar que a guerra não é a única coisa terrível e pesada que ele conta, 80% do livro contem menção a ideação suicida, suicídio em si, bullying e depressão. Então aconselharia a não ler se não estiver num lugar bom, ou pelo menos tranquilo. Se bem que às vezes ler uma história com coisas que você passa pode ser catártico, não sei. Cada um é cada um.