nem todos os que perambulam…

Acho que boa parte das pessoas deve conhecer a famosa frase “not all those who wander are lost“, que se traduz para o português como “nem todos os que vagueiam estão perdidos” dentro de um poema de Tolkien.

Essa frase sempre teve um peso importante na minha vida porque eu sempre achei que, por não estarem perdidos, aqueles que vagam tem – no fundo – uma direção certa e maior que os leva por tantos caminhos mas com um destino final.

Mas e se vagar for o caminho? Se esses que vagueiam tem como propósito explorar o mundo e tudo que há nele, sem sentir a necessidade de se prender a um caminho só? Tive essa pequena epifania durante uma meditação guiada focada em encontrar meu propósito, e não digo que uma única sessão de meditação me iluminou de tal forma, mas foi olhando para mim, me perguntando quem eu sou ou o que eu quero ser que pensei nisso. Ainda tenho internalizada essa coisa de que é necessário ter o caminho, o propósito único mas sem nunca pensar que talvez esse caminho seja percorrer vários caminhos, explorar o mundo para me encontrar e me encontrar ao explorar.

É algo que me trouxe muitos motivos para refletir e uma sensação de acolhimento que há muito eu não sentia. Existem muitos caminhos e escolher um só é o tipo de coisa que me tira o sono mas se eu puder escolher explorar sem a pressão de definir, de escolher e me permitir ficar o quanto eu quiser e partir se eu quiser. E quando digo explorar o mundo não precisa ser através de viagens, mas de assuntos, atividades e coisas variadas que posso até nunca nem ter pensado em explorar. E é ali que encontro sentido em viver e me sinto impelida a descobrir e procurar sempre mais.

Talvez…

3 comentários sobre “nem todos os que perambulam…

  1. isso me faz pensar nessa coisa de já sair do ensino médio definindo a profissão da vida, que ainda nos fazem mentalizar que deverá ser algo que gostamos pois ~trabalhe com o que você ame e então não trabalhará um dia sequer~ kkkcrying

    uma pressão enorme baseada numa piada. no fim a maioria escolhe algo por necessidade e vai aprendendo a lidar com isso. e nem tô discutindo quem não tem opção etc. só uma reflexão bem rasa mesmo sobre o assunto

    tantas formas de viver a vida, tantos caminhos né? pra sermos condicionados aos mesmo trajeto? enfim, me empolguei aqui hahaha

    Curtido por 1 pessoa

    1. Ba, é isso mesmo. Ouço muito dos meus pais que antigamente uma pessoa com varios empregos diferentes era considerada uma pessoa sem comprometimento. Acho que muito dessa pressão a fazer uma coisa só na vida vem disso… no passado as opções eram realmente bem rasas, mas acho que agora cabe a nós ir conversando pra mudar essa perspectiva! Obrigada pela visita!

      Curtir

  2. Desaprender essa ideia de um único caminho, uma única direção e de “destino final” foi uma das coisas mais difíceis do meu processo de amadurecimento, algo que ainda me debato bastante hoje em dia, mas também uma das coisas mais libertadoras que fiz por mim. Concordo plenamente que não existe essa trajetória pronta, um único fio que nos conduza, e o sentido é a gente que constrói todos os dias, é nosso pra ser moldado. Dá um medão, mas um alívio também. Boa sorte nesse percurso ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s