nem todos os que perambulam…

Acho que boa parte das pessoas deve conhecer a famosa frase “not all those who wander are lost“, que se traduz para o português como “nem todos os que vagueiam estão perdidos” dentro de um poema de Tolkien.

Essa frase sempre teve um peso importante na minha vida porque eu sempre achei que, por não estarem perdidos, aqueles que vagam tem – no fundo – uma direção certa e maior que os leva por tantos caminhos mas com um destino final.

Mas e se vagar for o caminho? Se esses que vagueiam tem como propósito explorar o mundo e tudo que há nele, sem sentir a necessidade de se prender a um caminho só? Tive essa pequena epifania durante uma meditação guiada focada em encontrar meu propósito, e não digo que uma única sessão de meditação me iluminou de tal forma, mas foi olhando para mim, me perguntando quem eu sou ou o que eu quero ser que pensei nisso. Ainda tenho internalizada essa coisa de que é necessário ter o caminho, o propósito único mas sem nunca pensar que talvez esse caminho seja percorrer vários caminhos, explorar o mundo para me encontrar e me encontrar ao explorar.

É algo que me trouxe muitos motivos para refletir e uma sensação de acolhimento que há muito eu não sentia. Existem muitos caminhos e escolher um só é o tipo de coisa que me tira o sono mas se eu puder escolher explorar sem a pressão de definir, de escolher e me permitir ficar o quanto eu quiser e partir se eu quiser. E quando digo explorar o mundo não precisa ser através de viagens, mas de assuntos, atividades e coisas variadas que posso até nunca nem ter pensado em explorar. E é ali que encontro sentido em viver e me sinto impelida a descobrir e procurar sempre mais.

Talvez…

Publicidade

sobre (in)constância

Eu tenho esse hábito. Ou vício. Ou sei lá que nome posso dar que acredito ser comum a muitas outras pessoas.

A de começar algo na maior empolgação e depois ir ficando com preguiça, esquecendo, até abandonar novamente algo que eu até gostava mas não tive a força de vontade de continuar. Já fiz isso com um curso da faculdade, a academia que frequentei, idiomas que inventei de aprender e até esse blog.

Nos poucos posts que publiquei aqui até agora já deixei mais do que claro que numa tentativa de não surtar com o mundo e onde estamos na nossa história enquanto humanidade, resolvi cuidar de mim, do meu desenvolvimento pessoal e rever essas pequenas falhas de caráter que parecem inofensivas mas podem ser muito prejudiciais.

Essa minha mania de não seguir com as coisas mesmo que elas me façam bem foi algo que nunca entendi muito bem e talvez por isso nunca tenha conseguido, de fato, combater. Muitas vezes acho que não tenho nada pra falar, mas eventualmente acabo voltando para o caderno que uso de “diário” (que não é nada diário) e sinto saudade de compartilhar coisas aqui. Mesmo que ninguém leia, eu acho meio terapêutico expor minhas palavras na terra de ninguém que é a internet vai que alguém tropeça aqui e se identifica?

Outro dia pensando nesse cantinho me vi usando as palavras “tenho que” postar aqui, “tenho que” pensar em outros posts. Mas eu tenho mesmo? Não estou recebendo nada por isso. E acho que no final das contas é essa sensação de obrigatoriedade que surge dentro de nós mesmos que nos dá essa preguiça. Em vários posts de organização que li ultimamente as pessoas comentam que nossas motivações, se não forem fortes o suficiente, minguam, e junto com elas nosso esforço em fazer algumas coisas. Que nosso cérebro tende a ficar sempre no que já é conhecido então se a gente não facilitar essas coisas ao máximo isso sempre vai acontecer.

Não sei porque mas acho até que consolador o fato que essa tendência a se autossabotar pode ser explicada pela ciência. Mas também fico pensando no esforço que é reeducar nosso cérebro e por isso é mais fácil desistir. Então nos últimos dias venho pensando na minha motivação para fazer as coisas e como posso me lembrar delas constantemente. Defini também que não vou ficar me cobrando para postar aqui porque foi isso que me afastou da escrita uma vez. Se eu tiver um post por dia numa semana e mais nada pelo próximo mês, paciência. Isso aqui é um hobby que não planejo monetizar então tudo bem.

Inconstância não é necessariamente uma coisa ruim se seu objetivo é só extravasar alguns pensamentos de dentro da cachola.